ALBORADA - SAYRI ÑAN

2.18.2012

ATAHUALPA - ESTRIBILHO DE UMA MORTE ANUNCIADA




                    (Atahualpa, no quarto do resgate)


Para falar sobre Atahaulpa, podemos usar o testemunho de Pedro Pizarro (#), que esteve com ele nos últimos dias de sua vida e escreveu em seu livro, Relación del Descubrimiento y Conquista de los Reinos del Perú, a impressão que teve dele, como um homem de grande poder e carisma.



Pizarro disse que Atahualpa era um homem bem disposto e de boa aparência, corpo bem feito, sem ser muito gordo, bonito de rosto, circunspecto, olhos implacáveis. Disse que era muito temido por seu povo e amado como Deus.

Quando "tiraram este senhor do madeiro onde ele foi morto, seus índios se aproximaram e cavaram a terra, onde seus pés haviam estado, quatro dedos, e a levaram como relíquia."
"Eu me lembro que o senhor de Guailas (Huaylas) pediu permissão para ir ver a sua terra e ele a deu, dando-lhe tempo que fosse e voltasse, e se atrasou um pouco, e quando voltou, na minha presença, chegou com um presente de fruto da terra, e tendo chegado diante dele, começou a tremer de tal forma que mal podia se manter em pé. Atahualpa levantou a cabeça um pouco, e, sorrindo, lhe fez sinal para que saísse."(1)


 
De acordo com Pizarro, Atahualpa usava a mascapaycha, que era a borla real ou "coroa" (2), o que significa que ele se considerava Inca, mesmo quando Huascar ainda estava vivo, sendo este soberano, senhor e verdadeiro Inca. Atahualpa usava o llauto na cabeça, que eram tranças coloridas de lã, da espessura de um dedo médio, por um de largura, à maneira de coroa mas, sem pontas, redonda, da largura de uma mão que encaixava na cabeça. Na frente, uma borla costurada neste llauto, da largura de uma mão ou um pouco mais, de lã muito fina, escarlate (*em espanhol original- grana) (3), muito bem cortada, presa por alguns tubinhos de ouro, muito subtilmente, até a metade. A lã era fiada, dos tubos para baixo, retorcida, que era o que caía em sua testa, os tubinhos de ouro tomavam todo o llauto. Esta borla, de um dedo de grossura, caía até um pouco acima das sobrancelhas, ocupando toda a frente.
Atahualpa tinha muitos líderes com ele: eles ficavam lá fora, em um pátio, quando ele chamava algum, este entrava descalço até onde ele estava e, vindo de fora, de outro lugar, deveria entrar descalço e carregando uma carga ou "fardo" em sinal de submissão. Quando seu capitão Challicuchima veio com Hernando Pizarro e entrou para vê-lo, entrou descalço, com uma carga na cabeça, jogou-se a seus pés e beijou-os, chorando. "Atahualpa, com o rosto sereno, lhe disse: -Seja bem-vindo alli Challicuchima, o que significava:  - Seja bem-vindo, bom Challicuchima."
 
Eles todos andavam raspados, e os 'orejones' (4) com o cabelo cortado a 'sobre peine' (5). Vestiam roupa muito fina e macia.
"Este senhor colocava a manta sobre a cabeça, atando-a sob o queixo, tapando as orelhas: fazia isso para tapar uma orelha que estava rompida, que, quando o prenderam os de Guascar (Huascar) a quebraram."
 
As vestes de Atahualpa.
 
"Este senhor vestia roupas muito delicadas."




Além de ser uma pessoa interessante, Atahualpa era fascinante. Não foi o suficiente usar roupas finas e delicadas, feitas com o melhor Cumbi, comumente usadas pelos Incas, ele ousou mais. Pizarro descreve um momento em que, talvez para mostra-se um pouco mais, impondo sua presença, vestiu uma roupa feita de lã de morcego.
Como se isso fosse a coisa mais natural do mundo.


Pizarro conta que, certo dia, Atahualpa fazia uma refeição servida pelas mulheres que traziam a comida e a colocavam diante dele, em umas "bandejas" de junco verde, muito finas e pequenas. Estava sentado em um assento de madeira vermelho muito bonito, de um pouco mais de um palmo de altura, o qual mantinham, sempre, coberto com uma manta muito fina, ainda que ele estivesse sentado nele. Essas "bandejas" de junco, já mencionadas, eram, sempre, estendidas diante dele, quando queria comer e, alí, colocavam todos os manjares em pratos de ouro, prata e barro, e os que lhe apetecíam, ele fazia sinal para que trouxessem e uma das mulheres o segurava nas mãos enquanto ele comia.


"Pois estando ele dessa maneira, comendo, e eu presente, levando um pedaço da iguaria à boca, ele deixou cair uma gota na roupa que vestia, e dando a mão para a índia, levantou-se e foi para seu aposento para vestir outra roupa, e voltou, usando uma camiseta e uma manta marrom escura. Aproximando-me dele, toquei em sua manta, que era mais suave que a seda, e eu disse: - Inca, de que é esta veste tão suave? Ele me disse: - É de uns pássaros que andam de noite, em Puerto Viejo e em Tumbez, que mordem os índios. Chegou a declarar que era de pelo de morcego. Dizendo-lhe de onde podiam juntar tanto morcego, respondeu:. - Aqueles cães de Tumbez e Puerto Viejo, que haveriam de fazer senão usar isso para fazer roupas para o meu pai? E é assim que esses morcegos mordem à noite, índios, espanhóis e cavalos, e tiram tanto sangue que é coisa de mistério, e assim averiguou-se ser essa veste de lã de morcego, e era da cor deles, pois em Puerto Viejo e em Tumbez e em sua região, há uma grande quantidade deles. "




"E eu não vi em todo o Perú, índio semelhante a esse Atahualpa, nem de sua ferocidade ou autoridade."







"Certa vez, um súdito veio queixar-se de que um espanhol levou algumas vestes de Atahualpa; o Marquês (6) enviou-me para descobrir quem era, chamar o espanhol e castigá-lo. O índio me levou a uma cabana (7), onde havia uma grande quantidade de baús; o espanhol já tinha ido embora e, dizendo-me que, dalí, ele tomara uma veste do senhor, eu, perguntando-lhe o que continham aqueles baús, mostrou-me alguns que continham tudo o que Atahualpa havia tocado com as mãos e tinha deixado depois, e roupas que havia descartado: em uns, as bandejas que havia atirado aos seus pés quando ele comia e, em outros, os ossos das carnes ou aves que comia; em outros, os sabugos das espigas de milho que havia tomado em suas mãos; finalmente, tudo o que ele havia tocado. Perguntei a eles para que tinham aquilo alí. Responderam-me que era para queimar, porque a cada ano eles queimaram tudo isso, porque o que tocavam os senhores e os filhos do sol deveria ser queimado, transformado em cinzas e ser solto no ar, que ninguém deveria tocar em nada. E, de guarda, estava um comandante com índios que guardava a tudo, e que recolhiam das mulheres que o serviam."


                           ESTRIBILHO DE UMA MORTE ANUNCIADA

 
 
"Tendo chegado, pois, Almagro e as pessoas já mencionadas, Atahualpa perturbou-se e entendeu que havia de morrer, e um dia, enquanto fazia a refeição com o Marquês, perguntou-lhe como ele repartiria os índios entre os espanhóis. O Marquês disse que daria um chefe para cada espanhol. Atahualpa disse se cada espanhol estaria cada um com seu chefe. O Marquês disse que não, mas que fariam cidades onde os espanhóis estariam juntos. Ouvindo isso, Atahualpa disse - eu vou morrer: quero te dizer, apo, o que os cristãos deverão fazer com esses índios para que possam servir-se deles: se a algum espanhol deres mil indios, terá de matar a metade para poder servir-se deles, e assim disse ao Marquês que o havia de matar."

"O Marquês assegurava dizendo a ele que lhe daria a província de Quito, e que os cristãos levariam de Cajamarca a Cuzco. Porque, como Atahualpa era um índio sábio, veio a entender que o enganava, tinha uma grande amizade com Hernando Pizarro, que lhe prometera que não deiraria que o matassem, e por isso dizia Atahualpa não havia visto espanhol que parecesse senhor como Hernando Pizarro. Pois, estando assim, as coisas, determinou o Marquês Don Francisco Pizarro enviar seu irmão Hernando Pizarro para a Espanha com o tesouro de Sua Majestade. Quando Atahualpa soube da ida de Hernando Pizarro, chorou, dizendo que o haviam de matar, porque Hernando Pizarro ia embora, o que assim se passou... "




"Nisso o Marquês foi sempre muito cristão, que de ninguém tirou o que merecia."
 
Uma pequena reflexão sobre o que o autor considera ser um cristão. O que é ser um cristão? Chegar a um lugar, roubando as casas das pessoas, seus bens, suas propriedades, matando seu proprietário, seus moradores e partilhar os despojos em "nome de Deus" de uma maneira cristã? Eu não sei se as pessoas são irracionais, ignorantes, ingênuas, manipuladoras ou, simplesmente, manipuladas. Nenhuma pessoa deveria ser rotulada, mas algumas pessoas não podem ser chamadas de outra forma.
"Pois, tendo feito essa divisão entre aqueles que entraram em Cajamarca quando da prisão de Atahualpa, quero dizer, todos os espanhóis que com o Marquês ali entraram, como se fizera por decreto lque os que depois vieram não lhes davam nada, levantou-se grande confusão entre os Oficiais do Rei e os que tinham vindo com Almagro, dizendo que o tesouro que Atahualpa havia mandado era incontável e que, se o decreto fosse respeitado, eles nunca teriam nada.
Concordaram, pois, os Oficiais e Almagro que Atahualpa deveria morrer, tratando entre eles que, morto Atahualpa, acabaria o decreto feito acerca do tesouro."
 
Os eventos foram se desenrolando como um estribilho mórbido de uma triste melodia que se repete até desaparecer, completamente, dentro da morte.
 
"Então disseram ao Marquês Don Francisco Pizarro que não convinha que Atahualpa vivesse, porque se ele fosse libertado, sua Majestade perderia a terra e todos os espanhóis seriam mortos, e na verdade, se isso não fosse tratado com malícia (como foi dito) teriam razão, porque seria impossível, libertando-o, ganhar a terra. Pois o Marquês não quis chegar a isso.

"Vendo isso, os Oficiais fizeram muitas exigências, colocando o serviço de Sua Majestade à frente. Estando isso assim, atravessou um demônio de uma língua, que dizia Felipillo, um dos rapazes que o Marquês tinha levado para a Espanha, que andava enamorado de uma mulher de Atahualpa, e para tê-la deu a entender ao Marquês que Atahualpa estava organizando grande ajuntamento de pessoas para matar os espanhóis, em Cajas. "
 
Traição, mentiras, palavras trocadas - elementos que se juntaram para formar a trama da morte de Atahualpa.



"Pois tendo sabido disso o Marquês, prendeu a Challicuchima, que andava livre, e, perguntando-lhe dessa gente que a má lingua dizia que se estava juntando, mesmo que negasse, dizendo que não, o tal de Felipillo dizia o contrário, mudando as palavras que os indios diziam a quem lhes perguntasse desse caso. Pois o Marquês Don Francisco Pizarro concordou enviar Soto a Cajas para ver o que de fato acontecia..."


Francisco Pizarro foi pressionado, principalmente por Almagro e pelos oficiais, a ordenar a morte de Atahualpa, porque isso seria muito conveniente para todos.



"... à partida de Soto, pressionaram o Marquês com muitas exigências e a má língua, por sua vez, ajudava com seu retrucar, conseguiram convencer o Marquês que Atahualpa deveria morrer, porque o Marquês zelava muito dos negócios de Sua Majestade, e assim o fizeram temer, e contra a sua vontade condenou Atahualpa à morte, mandando que o estrangulassem e, após a morte, o queimassem, por ter ele irmãs como mulheres. "



 
"Certo: Poucas leis estes senhores tinham lido pois, ao infiel, sem defesa, davam-lhe essa sentença. Pois Atahualpa chorava e dizia que não o matassem, que não haveria indígena na terra que pudesse ser controlado sem ele mandar, e que eles o tinham prisioneiro, que haveriam de temer, e se o tinham por ouro e prata, que ele lhes daria dois tantos do que havia mandado."  

"Eu vi chorar o Marquês, de pesar, por não ser capaz de lhe dar vida, pois certamente temeu as petições e o risco que havia na terra se ele se libertasse."


Atahualpa aceitou batismo cristão antes de morrer, não por causa da conversão, mas pela fé que tinham, ele e todos os Incas, que se o corpo não fosse preservado, uma pessoa não poderia renascer.




"Este Atahualpa tinha dado a entender a suas esposas e índios que se não queimassem o seu corpo, ainda que o matassem, haveria de voltar para eles, que o sol, seu pai, o ressuscitaria. Pois, ao levá-lo para estrangular, na praça, o Padre Frei Vicente de Valverde, já mencionado, pregou a ele, dizendo que se tornasse cristão, e ele disse que caso se tornasse cristão, se o queimariam, e disse que como não o haveriam de queimar, que queria ser batizado, e assim o Frei Vicente o batizou e o estrangularam, e no dia seguinte o sepultaram na igreja que os espanhóis tinham em Cajamarca."
 
"Isso foi antes que Soto retornasse dando conta do que lhe fora ordenado, e quando chegou, ele trouxe a nottícia de não haver visto nada, nem haver nada, o que, ao Marquês, foi muito pesaroso havê-lo morto, e muito mais a Soto, porque ele dizia que ele estava certo, que muito melhor seria enviá-lo para a Espanha, e que ele se obrigaria a colocá-lo no mar, e certamente essa seria a melhor coisa que se poderia fazer com esse índio porque ficar na terra não era aconselhável; também se entendeu que ele não vivera muitos dias, porque era índio muito talentoso e muito importante."
 
Pizarro narra o momento de dor que foi a morte de Atahualpa e como todos se sentiram perdidos sem ele. No instante da sua morte, era ele o Inca, pois Huascar já não vivia. Esta foi a principal razão dada pelos espanhóis para matar Atahualpa, o assassinato de Huascar. Para todos os que viviam em torno de Atahualpa, como se pode ver, ele era, realmente, o Filho do Sol, que já não brilhava,  que foi embora...
 
"Pois, morto Atahualpa, como eu disse, havia dado a entender a suas irmãs e mulheres que, se não fosse queimado, retornaria a este mundo. Algumas pessoas se enforcaram e uma sua irmã com algumas índias, dizendo que iriam ao outro mundo para servir Atahualpa, ficaram duas irmãs que choravam muito, com tambores e cantando, contando as façanhas de seu marido. Esperaram até que o Marquês saisse fora do seu quarto, e vieram ao lugar onde Atahualpa costumava estar; e me imploraram que as deixasse entrar e, quando entraram, começaram a chamar Atahualpa, buscando-o pelos cantos, bem baixinho. Como viram que não lhes respondía, chorando alto, saíram. Eu perguntei a elas o que buscavam. Disseram-me o que tenho dito. Eu as desenganei, dizendo que os mortos não retornavam até o dia do juízo."(8)
 
Aos poucos, apagou-se a luz de todas as lâmpadas, como que tocadas pelo vento. Aos poucos foi se extinguindo o som dos tambores e flautas, a música parou, morreu o estribilho, as lágrimas secaram enquanto o tempo passava e as gerações se sucederam sepultando os sonhos. Como em uma procissão de amor e esperança, as sombras daquelas mulheres parecem perpetuar a busca pelo Inca. Cantando no silêncio, como fantasmas que deslizam no vazio do tempo, contando as façanhas de Atahualpa, chamando-o pelo nome, bem baixinho.


                                  Fim da História?
                                                              
 
                                          ********

1) O texto original de Pedro Pizarro está escrito de uma maneira difícil de entender, então eu coloquei, primeiro, as palavras adaptadas para a língua espanhola atual, simplesmente mudando as letras, tais como (-v) em vez de (-u), como na palavra seruicio (servicio) (serviço), por exemplo, mas não para alterar as palavras no seu significado, simplesmente para facilitar a compreensão quanto às letras. Como no exemplo abaixo:


"Aquerdome que el senor de Guailas le pidio licencia para ir a uer su tierra, y se la dio, dandole tiempo en que fuese y biniese, y tardose algo mas, y quando uoluio, estando yo presente, llego con un presente de fructa de la tierra, y llegado que fue a su presencia, enpezo a temblar en tanta manera, que nose podia tener en los pies. El Atagualpa alzo la caueza un poquito, y sonrriendose le hizo sena que se fuese." (texto original)


(2) O traje do Inca consistia de um turbante multicolorido, aderido à cabeça, chamado llauto, que trazia, na parte da frente, uma insígnia chamada MASCAPAYCHA (borla de cor vermelha); acima do Llauto, sobressaindo pela frente, eram colocadas duas penas da ave Qoriquenque, presas por uma placa de ouro que representava a imagem do sol.

3) Real Academia Española - Diccionario de la Lengua Española

grana2. (De grano, tumorcillo).
1. f. cochinilla2.
2. f. quermes (‖ insecto hemíptero).
3. f. Excrecencia o agalla pequeña que el quermes forma en la coscoja, y que, exprimida, produce color rojo.
4. f. Color rojo obtenido de este modo. (cor vermelha obtida desse modo)


(4) (Andes, Hist) oficial e nobre Inca.


(5) sobre peine. (no pente)
1. loc. adv. Dicho regularmente de cortar el cabello: Por encima de él y sin ahondar mucho. (dito, regularmente, de cortar o cabelo - por cima e sem afundar muito)

(6) Francisco Pizarro.

(7) bohío. 1. m. Cabaña de América, hecha de madera y ramas, cañas o pajas y sin más respiradero que la puerta. Real Academia Española - Diccionario de la Lengua Española. (cabana da América, feita de madeira e bambú, ramos ou palha e sem aberturas, a não ser a da porta)

(8) "Era costume entre esses índios que a cada ano as mulheres chorassem a seus maridos e parentes, carregando suas roupas e armas diante de si, e muitas índias, carregadas com muita chicha, atrás, e outras tocando tambores e cantando as façanhas dos mortos, iam de monte em monte e de lugar em lugar onde os mortos, estando vivos, haviam ido, e quando se cansavam, sentavam-se, bebíam e, descansados, voltavam ao pranto até que acabasse a chicha."(Pedro Pizarro)

(9) "... que tendo ido Hernando Pizarro e dividido o tesouro que se havia juntado, coube aos cavaleiros oito mil "pesos" por parte, e aos que lutavam a pé, quatro mil: isso era dando partes inteiras porque houve muito poucos aos quais foram dadas, a alguns cavaleiros foram dadas uma parte e meia, a outros uma parte e três quartos, e aos que íam a pé, três quartos, e meia parte, e a muito poucos a parte inteira, que se repartia conforme o que cada um servía e o cavalo que tinha, apesar de Almagro querer que fosse de forma diferente, ele e seu parceiro tomaram a metade e, aos demais espanhóis deram um mil, e aos que deram mais, dois mil pesos. "


BIBLIOGRAFIA

Pizarro, Pedro. Relación del Descubrimiento y Conquista de los Reinos del Peru.

(#)Pedro Pizarro foi um cronista espanhol e conquistador. Ele participou da maioria dos eventos da conquista espanhola do Peru, e escreveu um longo relatório  sob o título de Relación del Descubrimiento y conquista de los Reinos del Perú, que terminou em 1571.

link para o original em espanhol neste blog:

http://princesinhadiseda.blogspot.com/2011/08/atahualpa-estribillo-de-una-muerte.html