ALBORADA - SAYRI ÑAN

6.13.2011

URBANISMO NO TAHUANTINSUYO - CONSTRUINDO UMA IDÉIA

                                               (Machu Picchu)

Ao falarmos do Urbanismo, noTahuantinsuyo (Império Inca), notamos que o elemento básico é a pedra, pelo menos nas regiões mais altas; no litoral se utilizava uma espécie de tijolo de terra. Há uma diferença importante que faz com que o estilo "cusquenho" prevaleça no centro e no norte da Cordilheira, enquanto no litoral e em outras áreas, como na Bolívia atual, por exemplo, se torne mais raro. No entanto, não creio que isso possa ser considerado, como observou o antropólogo francês Henri Favre, que "a atuação política no território do Estado Chimu e das grandes chefias aymaras fosse mais fraca" porque, simplesmente, não creio que possamos misturar as coisas. Como bem sabemos, a Cultura Inca, incluindo nela o urbanismo, desenvolveu-se sobre todas as culturas anteriores que habitaram a Cordilheira dos Andes, como a Chavín e a Tiahuanaco, por exemplo, aproveitando-se do que já havia, porém, com personalidade própria ao desenvolver suas construções.
A aparência gigantesca de suas edificações, as aberturas em forma trapezoidal, serviram para deixar sua marca e apontar as diferenças que os tornam únicos entre todas as Culturas que os precederam. 
Um exemplo disso são as construções militares, destacando-se as fortalezas de Sacsayhuaman, em Cuzco e do Vale do Urubamba. Essas admiráveis edificações foram projetadas e criadas com ajustes perfeitos de grandes blocos de pedra, sem a ajuda da roda, por exemplo. Essas construções foram feitas para resistir aos grandes terremotos.
Quanto às casas, quase todas eram retangulares, muitas delas circulares, com uma abóbada de pedra por telhado ou, simplesmente, palha; essas casas não possuíam janela e nem chaminé (a fumaça escaparia pela palha do telhado). Com uma porta, única, coberta por uma esteira ou cortina de couro, ou palha, as pedras eram ligadas com lama e as paredes externas cobertas com estuque de lama fina.
Mas, infelizmente, só podemos tirar conclusões a partir do que nos restou para observar porque, se os terremotos não puderam destruir suas construções, o mesmo não se pode dizer da ocupação espanhola, definitiva no aspecto da transformação desse urbanismo original que foi perdido ao longo dos últimos quinhentos anos. Basta uma olhada no livro Comentarios Reales, do cronista Garcilaso de la Vega (1), para perceber o quanto de tudo isso se perdeu para servir de material para as construções coloniais espanholas.



Nossa melhor fonte de conhecimento nesse sentido é a cidadela de Machu Picchu, descoberta em 1911, pelo professor Hiram Bingham. Oculta, por todos esses séculos de ocupação espanhola, preservou-se, completamente, mantendo sua integridade original, porém, Machu Picchu não pode ser tomada como padrão para a análise e estudo da Arquitetura e Urbanismo Inca. Podemos fazer análises, tirar conclusões que jamais poderão ser comprovadas pois, Machu Picchu é uma cidadela construída para algum fim específico que jamais pode ser determinado com certeza. Cidade religiosa? Fortaleza militar? Qualquer conclusão seria tese e não passaria disso. Não se pode analisar todo o Urbanismo do Império Inca a partir de uma "simples" cidadela. Praças, fontes, aquedutos, escadarias, terraços sem fim para agricultura, muros de contenção e paredões à beira das enconstas para proteger a cidadela.

Só o que podemos é construir novas idéias sobre o que, realmente, existiu e não nos foi legado.

Então...

AS LLACTAS E A CONSTRUÇÃO DO TAHUANTINSUYO

A idéia que nos ficou foi que, em todo oTahuantinsuyo, havia o predomínio da aldeia como forma básica de moradia e urbanismo: ayllus com casas dispostas, irregularmente, distantes umas das outras, dependendo das inclinações naturais do terreno ou dos rios e riachos que cortassem a região. Quase toda a população vivia nos ayllus, apenas uma elite residia nas cidades, chamadas llactas.
As llactas eram cidades planejadas e construídas pelo Estado Imperial Inca para atuar como centros administrativos, e de poder, no controle do território e da população. Nesse sentido, registra-se um maior número de llactas no norte e no nordeste do Império, já que seria necessário um maior controle daquelas regiões.

                                                        (Machu Picchu)
Segundo Juan de Betanzos, no capítulo XVI de sua Crônica, as construções das llactas necessitavam de muita mão-de-obra e de um planejamento preciso. Funcionários do Estado Inca, os orejones (2), saíam em busca de muitas pessoas retiradas de suas províncias e ayllus, para realizarem o serviço. Esse processo era chamado de mitmas ou mitmaq, e se refere ao translado de famílias ou populações inteiras, sob organização e a serviço do Estado.

Por ocasião da reconstrução de Cuzco, o Inca Pachacutec Yupanqui planejou a cidade e fez maquetes com figuras de barro definindo como os trabalhadores iriam desempenhar seu projeto. Como não havia papel para se fazerem projetos arquitetônicos, criavam maquetes de barro, ou pedra, para servir de modelo de construção, como apontam os cronistas.

O fio de prumo era conhecido, assim como outras ferramentas para obter ângulos, medidas e níveis. Os martelos e machados geralmente eram de pedra e o trabalho era físico, de braço a braço, com a preocupação de se cuidar dos mínimos detalhes. Usavam-se também alavancas de madeira e de bronze para mover e colocar pedras.
Jamais chegou-se a uma conclusão de como eram realizados, tanto o transporte quanto a colocação das pedras, devido ao tamanho e a distância, bem como a alturas e as circunstâncias geográficas locais. Várias teorias buscam compreender sem, no entanto, jamais explicar de modo convincente, como esse Império pode ser construído com elementos tão "impossíveis".

Os incas não utilizavam nenhuma liga para fixar os blocos de pedra.


                                              (alvenaria ciclópica poligonal)


No Império Inca, a riqueza estava mais na quantidade (e na qualidade) das pessoas, em suas habilidades, no esplendor tecnológico que podemos observar em suas edificações, na metalurgia, na construção de estradas, aquedutos, no sistema de irrigação e contenção de encostas, nos produtos têxteis, etc, do que na quantidade de ouro que despertou a cobiça dos espanhóis, tornando-os irracionais. 


A partir de Cuzco, as demais llactas edificadas pelo Estado foram divididas em setores religiosos, administrativos e agrícolas. Primordialmente, as construções eram projetadas em um estilo rústico com pirca e adobe, erguidos com pedras amontoadas sem muito cuidado e mescladas com uma liga de barro. Isso para casas comuns, andenes (terraços de agricultura) e depósitos.


                                              (fontes de Tipon)

Um trabalho mais encaixado, feito com base de pedras ígneas de tamanho regular com formas geométricas poligonais foi desenvolvido até que, no auge do Tahuantinsuyo (Império Inca), o tipo sedimentário ou inca imperial, constituído por pedras de tamanho médio de altura regular, encaixadas sem nenhum espaço, bem talhadas e polidas era o mais comumente utilizado. Na construção das fortalezas, no entanto, praticava-se o estilo monumental, no qual grandes blocos, pesando toneladas, foram usados.
Interessante notar que, principalmente em Cuzco, o sistema de esgoto e o abastecimento de água estavam organizados, de tal maneira que, os cursos de água que atravessavam a cidade estavam confinados entre muros, e os leitos das correntes menores, eram pavimentados com pedras, garantindo a qualidade da água. A água era levada para alguns edifícios por condutos forrados e cobertos de pedras.
Podemos constatar todo esse desenvolvimento, técnicas de engenharia avançada, grandes construções arquitetônicas mas, não podemos atinar com os métodos que utilizavam para fazer isso. E nos sentimos grandes ignorantes diante de nossa própria incapacidade de tirar conclusões.


                              (fortaleza de sacsayhuaman)

(1) Nas palavras de Garcilaso, em Comentarios Reales: "Los españoles, como envidiosos de sus admirables victorias, debiendo sustentar aquella fortaleza, aunque fuera reparándola a su costa, para que por ellas vieran en siglos venideros cuán grandes habían sido las fuerzas y el ánimo de los que la ganaron, y fuera eterna memoria de sus hazañas, no solamente no la sustentaron, mas ellos propios la derribaron para edificar las casas particulares que hoy tienen en la ciudad de Cozco, que por ahorrar la costa y la tardanza y pesadumbre con que los indios* labraban las piedras para los edificios, derribaron todo lo que de cantería pulida estaba edificado dentro de las cercas, que no hay casa en la ciudad que no haya sido labrada con aquella piedra, a lo menos las que han labrado los españoles.

Las piedras mayores, que servían de vigas en los soterraños, sacaron para umbrales y portadas, y las piedras menores, para los cimientos y paredes; y para las gradas de las escaleras buscaban las hiladas de piedra del altor que les convenía; y habiéndola hallado, derribaban todas las hiladas que había encima de la que habían menester, aunque fuesen diez o doce hiladas, o muchas más. De esta manera echaron por tierra aquella gran majestad, indigna de tal estrago, que eternamente hará lástima a los que la miraren con atención de lo que fue. Derribáronla con tanta priesa, que aun yo no alcancé de ella sino las pocas reliquias que he dicho. Las tres murallas de peñas dejé en pie, porque no las pueden derribar por la grandeza de ellas; y aun con todo eso, según me han dicho, han derribado parte dellas, buscando la cadena o maroma de oro que Huayna Cápac hizo, porque tuvieron conjeturas o rastros que la habían enterrado por allí.


Dio principio a la fábrica de aquella no bien encarecida y mal dibujada fortaleza, el buen rey Inca Yupanqui, décimo de los Incas, aunque otros quieren decir que fue su padre Pachacútec Inca; diciendo porque dejó la traza y el modelo hecho, y recogida grandísima cantidad de piedra y peñas, que no hubo otro material en aquella obra. Tardó en acabarse más de cincuenta años, hasta los tiempos de Huayna Cápac, y aun dicen los indios* que no estaba acabada, porque la piedra cansada la habían traído para otra gran fábrica que pensaban hacer, la cual con otras muchas que por todo aquel imperio se hacían, atajaron las guerras civiles, que poco después entre los dos hermanos Huáscar Inca y Atahualpa se levantaron, en cuyo tiempo entraron los españoles que las atajaron y derribaron de el todo como hoy están."

* Essa palavra não é apropriada para descrever os Incas, que eram brancos.

(2) orejones (orelhões) eram os funcionários representantes do Inca que executavam diversas funções administrativas; eram assim chamados por usarem uma espécie de argola no lóbulo das orelhas, deixando-as compridas.


ler:
- Garcilaso de La Vega, Comentarios Reales, Editorial Mercurio S/A., Lima, Peru, 1970
- Juan de Betanzos. Suma y Narracion de los Incas. — Madrid, Ediciones Polifemo, 2004. Edicion, introduccion y notas: Maria del Carmen Martin Rubio.