ALBORADA - SAYRI ÑAN

1.05.2013

HAYU MARCA - PORTAL DOS DEUSES







Porta estelar ou entrada interdimensional esculpida na rocha?


Porta Hayu Marca (Portal ou Portão dos Deuses) - A Porta escavada na rocha, no altiplano de Hayu Marca, no sul do Peru, próximo ao lagoTiticaca, a 35 km da cidade de Puno, tem sido venerada pelos moradores como a "Cidade dos Deuses". É uma estrutura enorme e cheia de mistério, com a aparência de uma grande porta. Devido ao terreno acidentado da montanha, nunca foi totalmente explorada e muitas das formações rochosas da região se assemelham a edifícios e estruturas artificiais como uma "cidade", o que mexe com a imaginação das pessoas. Embora não se tenha descoberto nenhuma cidade de verdade, a Porta faz parte de uma área conhecida como Floresta Espírito (ou Floresta de Pedra) feita de estranhas formações rochosas. 

A Porta de Hayu Marca foi esculpida em uma face natural da rocha, há muito tempo, e mede sete metros de altura por sete metros de largura com um pequeno nicho no centro, na base, com dois metros de altura.





A lenda fala de uma "porta de entrada para a terra dos deuses" através da qual, nos tempos antigos, grandes heróis tinham ido juntar-se a eles, alcançando uma nova e gloriosa vida de imortalidade. Em raras ocasiões, haviam regressado, por um curto período de tempo, com seus deuses, para "inspecionar todas as terras do reino", através do portão.


Outra lenda fala de um tempo em que os conquistadores espanhóis chegaram ao Peru, saqueando o ouro e as pedras preciosas do Império Inca. Um sacerdote do Templo Inca dos Sete Raios, chamado Amaru Meru (Aramu Muru), fugiu de seu santo templo, levando com ele um disco de ouro conhecido como "a chave dos deuses dos sete raios", e se escondeu nas montanhas de Hayu Marca. O sacerdote mostrou ao povo local a chave dos deuses e um ritual foi realizado. A celebração gerou um acontecimento mágico e o disco de ouro abrira o portal que, segundo a lenda, permitia que uma luz azul emanasse de dentro do túnel.


Amaru Meru entregou o disco de ouro para o xamã, passou através do portal, para nunca mais ser visto. Os arqueólogos observaram uma pequena mão na depressão circular no canto inferior direito da porta e teorizam que este é o lugar onde um pequeno disco pode ser instalado e mantido pela rocha.
De acordo com algumas pessoas que colocaram suas mãos na pequena porta, uma sensação de energia fluindo foi sentida, e experiências estranhas, como visões de estrelas, colunas de fogo, e os sons de uma música estranha. Outros disseram que perceberam túneis dentro da estrutura, embora ninguém ainda tenha encontrado uma brecha na abertura da porta. Pelo contrário, a opinião profissional é de que não há nenhuma porta real, e que foi esculpida em uma única rocha.


Curiosamente, a estrutura é semelhante, sem dúvida, à Porta do Sol deTiahuanaco e a cinco outros sítios arqueológicos que estão ligados por uma cruz de linhas retas imaginárias que se cruzam exatamente no ponto onde o planalto e o Lago Titicaca estão localizados.
(* Notícias da região, nos últimos 20 anos, tem demonstrado atividade com objetos voadores não identificados em todas essas áreas, especialmente no Lago Titicaca. A maioria dos relatórios descrevem esferas azuis brilhantes e ofuscantes objetos brancos em forma de disco.)


A lenda termina com uma profecia de que a porta dos deuses um dia será aberta "muitas vezes maior do que realmente é" para permitir que os deuses voltem com suas naves de sol.
A profecia diz que as Américas eram unidas por uma tradição espiritual comum e um líder, e que isso vai acontecer de novo. Éramos unidos - Amaruca ou Ameruca, América, significa "terra da serpente" - numa época em que a serpente era o símbolo universal da sabedoria mística e poder espiritual. Uma lenda diz que a América do Norte e a América do Sul foram nomeados após um portador de cultura, historicamente conhecido como Aramu Muru ou Meru Amaru, a "Serpente Meru."

Aramu Muru veio do antigo continente de Mu com muitos objetos de poder, incluindo o poderoso disco solar que havia sido pendurado em um templo importante na sua terra natal. Também trouxe muitos rituais e símbolos sagrados, como a Chakana que, tendo sido levados pelos missionários aos quatro cantos, serviram para unir as Américas em uma cultura espiritual homogênea.

A Chakana tem uma idade superior a 4.000 anos, de acordo com o arquiteto Carlos Milla, autor do livro Gênesis da Cultura Andina. Atualmente, a cultura aimará continua reproduzindo o gráfico da Chakana em seus tecidos. Da mesma forma, os Aimará ainda usam o calendário lunar de 13 meses com 28 dias cada mês, utilizado pelos antepassados: 13 vezes 28, 364, o 365 º dia era considerado o dia zero, algo assim como uma espécie de Ano Novo andino. Esse dia é 03 de maio, que é  quando a Cruz do Sul toma a forma de uma cruz perfeita.




                                                                 CHAKANA


Contam as lendas que Aramu Muru (ou Amaru Muru) teria ajudado muitas tribos de nativos americanos depois que eles chegaram ao Peru, durante a época da destruição de Mu (Lemúria) e a Velha Terra Vermelha (Atlantis). Em seguida, uniu essas tribos em uma cultura muito avançada, que começou a construir muitos dos impressionantes templos megalíticos que ainda adornam a paisagem do atual Peru. Embora a maioria de nós tenha esquecido nossas ligações com o passado, o espírito de Aramu Muru nunca nos deixou: continua a observar as Américas, a partir do seu Templo de Luz localizado acima do Lago Titicaca. Além disso, o grande Disco Solar de Mu, também, ainda existe e está, atualmente, sob o lago sagrado.
  
Desde 1992, quando o Pachacuti, ou "transformação do mundo", antigamente profetizado pelos Incas, teve o seu início, Aramu Muru e o Templo da Iluminação tem feito sentir sua presença e, novamente, o disco solar começou a emanar poderosas correntes espirituais de luz para unir as Américas e elevar o mundo inteiro. Logo, a profecia se cumprirá, a Águia (América do Norte) vai se juntar ao Condor (América do Sul) e os povos tornarão a ser um só.