ALBORADA - SAYRI ÑAN

1.05.2013

ALNILAM E A DIVISÃO DO TAHUANTINSUYO (IMPÉRIO INCA)






Estrela central e mais brilhante das três estrelas no Cinturão de Órion e a quarta estrela mais brilhante de toda a constelação, Alnilam é uma estrela supergigante branco-azulada. 
Como a maioria das supergigantes, Alnilam está, rapidamente, perdendo massa. Um poderoso vento estelar sopra a partir de sua superfície a uma velocidade de até 2.000 km/s, levando para longe cerca de dois milionésimos de massa solar por ano (20 milhões de vezes a quantidade perdida pelo sol). Embora tenha, apenas, cerca de quatro milhões de anos de idade, Alnilam já está fundindo elementos pesados ​​em seu núcleo; está condenada a explodir, nos próximos milhões de anos, mais ou menos, como uma supernova. (1)


Um dos monstros da Via Láctea, Alnilam, está soprando para o espaço uma quantidade tão grande de gás quente que isso, em um milhão de anos, poderia formar duas estrelas tão pesadas quanto o Sol.


Sendo uma supergigante, Alnilam tem cerca de 40 vezes a massa do Sol, dezenas de milhares de graus mais quente, e centenas de milhares de vezes mais brilhante. Radiação tão intensa, de fato, empurra um "vento" denso de partículas carregadas, a partir da superfície, para fora de Alnilam, no espaço, a milhares de quilômetros por hora.


Membro mais impressionante do cinturão de Orion, Alnilam é a mais brilhante das três estrelas, mesmo que esteja a centenas de anos-luz mais distante do que as outras duas. E, enquanto cada uma das outras, na verdade, é constituída por duas estrelas, Alnilam se move, através da galáxia, sozinha.

Embora Alnilam tenha, apenas, alguns milhões de anos, está, rapidamente, aproximando-se do final de sua vida. Ao longo dos próximos milhões de anos, ela vai "queimar", através de uma série de elementos mais pesados ​​forjados em seu núcleo, o seu combustível de hidrogênio original. Esse processo, Alnilam não será capaz de sustentar por muito tempo. Seu núcleo entrará em colapso, enquanto as suas camadas exteriores vão explodir, na direção do espaço, como uma supernova - momentâneamente ofuscando a maioria das outras estrelas da galáxia juntas.

Existe um diagrama, desenhado por Juan Santa Cruz Pachacuti Yamqui Salcamayhua, um nativo dos Andes e que
 tem sido muito importante para a compreensão da astronomia estelar dos Incas. 
O escritor, que nasceu no início de 1600, fez o manuscrito, obviamente, alguns anos após a conquista dos espanhóis (1533).
Sua crônica apresenta informações sobre Astronomia Inca, não documentada por escritores europeus. 
Entre os desenhos do Sol e da Lua e outros astros e constelações, como o Cruzeiro do Sul, por exemplo, há uma linha de três estrelas.
A linha de três estrelas é conhecida como 'Orcorara' (2), que significa 'três estrelas todas iguais'. 

Há uma história sobre estas três estrelas. 

As duas estrelas no final são chamados de Patá (são conhecidas como as Marias) e a estrela no meio é o ladrão e bandido. A Lua queria puní-lo, então, ela enviou as duas estrelas para capturá-lo e entregá-lo aos abutres, que são os urubus formados pelas quatro estrelas abaixo de Patá.
Muito provavelmente estas cinco estrelas representem a Constelação de Órion; as três estrelas da linha são o Cinturão de Órion. O Cinturão de Órion é único porque as três estrelas que formam o cinturão, a saber: Alnitak (a ponta) Alnilam (o colar de pérolas) e Mintaka (o cinto) forma um alinhamento reto e são, aproximadamente, iguais em brilho. A estrela perpendicular ao cinturão, e abaixo, é Betelgeuse, que é a oitava estrela mais brilhante, enquanto a estrela que se situa acima, a uma distância igual da linha, é Rigel e esta é a sétima estrela mais brilhante no céu.

Usando o templo Coricancha como o centro, podemos estender os ceques (ceque significa "puro" ou "frente" em quéchua) como linhas imaginárias para fora até o horizonte, então podemos localizar a ascenção e pontos de ajuste de certas estrelas.






Eu prefiro acreditar na "teoria" que parece ser a mais provável de ser aceita astronomicamente (aparentemente há aqueles que pensam de outra forma), a de que as quatro linhas imaginárias que cruzam o templo Coricancha são determinadas pela principal estrela do cinturão de Órion, Alnilam, que se concentra, exatamente, sobre a cidade de Cuzco (antiga capital dos Incas e que era o centro do mundo), em 21 de março, no solstício de inverno. Dessa forma, segundo essa "teoria", a partir de Alnilam, brilhando sobre Cuzco, em pleno solstício, o Tahuantinsuyo (Império Inca), teria sido dividido por dois ceques em quatro suyos, a saber: Collasuyo, Chinchaysuyu, Antisuyo, Contisuyo.




  
(1) Uma nuvem molecular, NGC 1990, circunda Alnilam e está parcialmente iluminada como uma nebulosa de reflexão pela intensa radiação da estrela. (Em astronomia, nebulosas de reflexão são nuvens de poeira interestelar que refletem a luz de uma próxima estrela ou estrelas.) 
(2) Chaccana. Três estrelas chamado de Três Marias.