ALBORADA - SAYRI ÑAN

2.22.2012

TELA DE AMOR E MORTE EM PUCARA (IMPÉRIO INCA)






Havia umas flores, nos Andes, chamadas panti (cosmos) (1) que, resistentes, semeavam a si mesmas, suas sementes germinando ao cair na terra. Crescíam bem, mesmo em solos pobres ou quando em áreas mais secas, florescendo a pleno sol, embora tolerassem as sombras. Resistentes a épocas mais áridas, às pragas ou doenças, suas flores atraíam pássaros e borboletas de todas as cores; cobrindo as planícies e as alturas com uma cor vermelho-sangue. Dizem que está extinta em seu ambiente natural mas, espero que possa renascer e, até mesmo, por algum milagre da natureza, nos guiar em meio à destruição de seu habitat, por entre as ruínas de um Império que eu já não sei mais onde buscar.

A planta herbácea, perene, atingia até sessenta centímetros de altura, suas folhas verdes, longas, compostas de folíolos, marcavam as flores que se produziam em um capítulo de cor vermelho escuro. O anel de flores exteriores, assimétricas, com aspecto de pétalas, formado por um simples círculo de flores, em geral oito, despertava uma fragrância suave de baunilha, especialmente no período da tarde e no quente verão. A floração era abundante, de junho a outubro, pelos caminhos, encostas e vertentes, mas quando cortaram as flores mortas, as extinguiram, como extinto foi o sangue Inca, ao ser derramado, cobrindo os Andes.



De acordo com o Testemunho do dia 8 de julho de 1567, do Inca Titu Cusi Yupanqui, quando os primeiros conquistadores chegaram à cidade de Cuzco, Juan Pizarro prendeu seu pai, Manco Inca, sob o pretexto que ele queria rebelar-se com todos os índios do reino e, por resgate, exigiu uma cabana cheia de ouro e prata. Mesmo sendo mentira, para redimir-se da humilhação, Manco Inca deu-lhe muitas cargas de ouro e prata.

Então veio Gonzalo Pizarro como corregedor e mandou-o para a prisão, sob o pretexto que ele queria se levantar de novo, e pediu outra cabana cheia de ouro e prata e colocou uma corrente em torno de seu pescoço, e levou-o por toda a cidade de Cuzco diante de seus súditos, esposas e filhos, com muita ignomínia. E quando  Manco Inca não tinha mais nada para redimir-se da humilhação, chegou à cidade de Cuzco Hernando Pizarro como corregedor e ordenou que ele fosse solto e depois de soltá-lo, pedia-lhe muito ouro e prata dizendo que era porque o havia libertado. Não tendo com que subornar Hernando Pizarro e temendo que o mandassem de novo para a prisão e o perturbassem, chamou a todos os capitães e chefes do reino e levantou-se contra o domínio espanhol na fortaleza de Cuzco; cada um dos chefes, em suas terras, rebelaram-se com ele. E, assim, mataram muitos cristãos. E, em Pucara, quando o alcançaram, lhe tomaram a uma irmã e mulher chamada Coya Cura Ocllo, e a levaram a Tambo e, alí, atiraram nela. Manco Inca, então, com maior revolta, lutou com os espanhóis e matou muitos deles.

Pucara (2), que significa "fortaleza vermelha", agora é apenas uma ruína Inca, perto da estrada que vai de Cusco ao Antisuyo (selva).
Pucara, que está muito perto de Tambomachay, outra ruína na área, era um posto de controle militar - o compexo dispõe de armazéns, casas, fontes e aquedutos.
A "Fortaleza Vermelha", com seus muros de cor avermelhada, tomou este nome a partir da cor das pedras, especialmente ao entardecer quando, sob as luzes, a rocha é muito vermelha.

Hoje, as ruínas conservam os restos do que um dia foram torres de vigilância e muralhas, características de um sítio militar com praças, escadarias e aquedutos. A proximidade de Tambomachay também é importante porque, ao que parece, em tempos ainda mais antigos, o governante Inca costumava visitar, regularmente, os banhos de Tambomachay, toda vez que seu exército e funcionários se alojavam em Pucara.
A nove quilômetros da cidade de Cuzco, facilmente acessível, o trajeto que, de automóvel, dura de quinze a vinte minutos em média, também pode ser feito a pé em umas duas horas. Hoje não é considerado um lugar muito importante, não é encontrado em muitos mapas da região, por isso poucas pessoas chegam a visitá-lo.


Voltando um pouco atrás no tempo...


Como em um óleo sobre tela, as ruínas parecem, ainda, brilhar ao sol de um passado distante, quando Manco Inca ansiava por liberdade, tentando, desesperadamente, retomar o caminho da história até as tardes tranquilas de sua infância. Imagino seus olhos cheios de lágrimas represadas, como tempestade que ameaça sem cair, pensando em sua esposa morta, tentando olhar, apenas, para as planícies e encostas vermelhas de "Panti Pampa".

Consideremos o que acontecia, naquela época, nas palavras de Murúa. Antes e depois da batalha de Salinas, os índios que estavam em Cuzco e em seus arredores, que não faziam idéia de onde estava Manco Inca. Desse modo, íam reconhecer Paulo Topa como filho de Huayna Capac, o que significava colocá-lo como Inca (Paulo não era filho da esposa principal de Huayna Capac como seria necessário para ser alçado como Inca). Os espanhóis vizinhos e os "encomenderos"(*) deles, querendo evitar incovenientes que poderiam acontecer caso eles se acostumassem com ele, e para que Paulo Topa não se sentisse cheio de soberba, ordenaram que ninguém deveria ir à sua casa, apenas seus servos. Assim, a partir de então, os índios não se dirigiam mais à casa dele, nem o reverenciavam, pelo que, finalmente, entenderam os espanhóis que, desta forma, tirariam dele a oportunidade de se rebelar, como seu irmão."

Esta era a situação em Cuzco, enquanto nas montanhas...

"Manco Ynga, naquele momento, não descansava, antes andava causando muitos males e roubos, destruindo tudo o que podia, e como as novas chegassem aos espanhóis, querendo acabar de uma vez com o que inquietava a terra, saíram de onde estavam e lutaram bravamente, matando muitos índios, e o desbarataram e feriram até a província de Vitcos, em Vilcabamba, e foram atrás dele até lá. "


"Paulo Topa os seguiu,

e um dia o tiveram tão apertado que lhe tomaram o andor que o levava e a tiana - que é o assento onde se sentava-, e ele escapou nas montanhas, onde se escondeu com muitos índios, e outros, que não puderam segui-lo, não tiveram vontade de andar, já cansados, vieram a Cuzco, e dalí cada um foi para suas terras, e os espanhóis, como viram que Manco Inca tinha escapado de suas mãos, voltaram para Cuzco, e Manco Ynga se foi à sua Guamanga com o povo que restara, e lá praticava todos os males que podia. "


Jimenez de la Espada descreve a "Guamanga de Manco Inca" em seu livro, Relaciones Geograficas de Indias, como "terra cheia de curvas e cavernas: nas alturas é terra fria, nua, seca e estéril; embaixo, onde há rios e córregos de água ,é terra temperada e fértil; alí, dá qualquer coisa... "

Segundo o autor, os rios e riachos desciam das montanhas nevadas e desertas e íam profundos e resistentes, estreitando vales.


Ele a descreve quando o Inca já não vivia mais. Na época, todos ocupavam as terras desde as alturas ao chão, em terra mais fria do que quente. Nas alturas e encostas, por causa das chuvas, tiravam proveito dos dois extremos: da terra fria, para apascentar o gado doméstico, aqueles que os tinham e, também, caçar; e, da quente, para as lavouras. No tempo dos espanhóis, "todas as casas eram pequenas e humildes e, a maioria, redondas, suprindo com arte a pobreza e necessidade de roupa."

Três ofícios ​​ainda eram usados: oleiros, carpinteiros, e ourives. No entanto, como eles não conseguiam sustentar-se com seu trabalho, apenas nas cidades, onde ganhavam vendendo para os espanhóis, poucos foram aqueles que ficaram, só os que tinham algum gado remanescente da época dos Incas; estes eram os mais remediados e o principal modo de vida dos montanheses era o trabalho no campo.

"O caminho real que chamam de Guainacaba (3), que parte de Quito, pelas montanhas para ir a Cuzco e Charcas, divide os povoados dessa província, entrando pela praça da cidade. Os índios que vivem do lado esquerdo, que é para o Andes, alcançam boas terras. Têm chácaras de coca, algodão e pimenta, pelos quais pagam tributo, e obtêm seus pagos e benefícios. Aqueles que vivem do lado direito, entre o caminho real e a cordilheira, que é nas planícies, não têm tais terras, mas têm despovoados e algumas cabeças de gado e caça, dos quais se sustentam, vestem e fazem carne seca, chamada charque, e disso obtêm seus pagos e contratos com os outros. As chácaras de coca que agora têm os índios, eram todas do Inga e nenhum chefe ou índio as tinha; e da que agora colhem trezentos e quatrocentos cestos, naquele tempo não colhiam dez, daí se conclui que no tempo dos espanhóis se multiplicou, tornando-se tão comum aos índios."(*)

Pois bem, quanto a Manco Inca...


"Vendo que não parava, trataram de enviar outra vez para prendê-lo, e entrou Gonzalo Pizarro, e Villacastín,e o capitão Orgono e o capitão Oñate e Joan Balsa, e morreram treze espanhóis e mataram seis cavalos, ainda que tenham matado muitos parentes de Manco Inga e principais pessoas que estavam com ele. Foi Villacastín, um capitão, com grande número de soldados espanhóis, também levou consigo um grande número de índios, cujos capitães eram Inquill e Huaipar. Manco Inga, reunindo todo mundo que pôde, chegou de repente sobre os índios e matou a todos, prendeu Huaipar, que teve nas mãos. Inquill, fugindo, ao escapar, despencou-se ".


Assim começa a desenhar-se nossa tragédia, de amor e dor, que o destino traçou no meio da guerra, acrescentando cor, quando a terra já estava coberta de sangue, vermelho, carmim, como as flores de "panti" que se derramavam pelas encostas.

"... E houve batalha com os espanhóis em Xauxa, onde morreram muitos, e também na batalha de Yucay, onde morreram mais de 400 espanhóis, em seguida, em Pucara, onde houve a batalha com Gonzalo Pizarro, onde morrer Guaypar e Inguill, filhos de Guayna Capa, e não restou outro filho, apenas Paullo, ... "(Titu Cusi Yupanqui, carta)

Manco Inca necessitava, naquele momento, demonstrar sua força diante de seus homens. E ele o fez.

"Para fazer com que os outros o temessem, mandou matar a Huaipar diante de sua irmã, que era esposa de Manco Inca,...

... dando-se, depois, batalha, Villacastín desbaratou a Manco Inca com os espanhóis e prendeu a esposa de Manco Ynga. Eles a tiveram nas mãos porque ela ficou para trás na retirada,

com raiva, e se recusou a acompanhar o marido, porque ele havia morto diante dela a seu irmão Huaipar. "

"Como dissemos, Villacastín e Gonzalo Pizarro a levaram a Tambo, onde o Marquês Pizarro, que tinha tornado a subir desde Lima, e estava lá, com uma estranha crueldade, indigna de usar-se com uma mulher que não tinha culpa daquelas revoltas e rebeliões de seu marido, mandou atirarem nela e em outros capitães de Manco Inca.
À morte de sua esposa, tão triste e desesperada, chorou e fez grande sentimento por ela, porque a amava muito e, com isso, foi se retirando até o assento de Vilcabamba."


Frei Martin de Murua me permitiu encontrar o campo de cosmos que tanto busquei para ilustrar essa história de amor. Quando eu já havia perdido a esperança.

Então, o tempo havia avançado um pouco, alguns poucos anos, na época do último Inca, Tupac Amaru, mas, como podemos ver, o sofrimento e a dor pareciam não ter fim.

"No dia seguinte levantou-se o acampamento e em boa ordem marcharam duas léguas até Huayna Pucara, onde os inimigos estavam reforçados, e fizeram resenha em um lugar chamado Panti Pampa, e alí o campo espanhol parou, para tratar de como investiriam contra o forte e prevenir o que fosse necessário para o assalto, que se esperava ser muito difícil e perigoso... e se estabeleceu o acampamento da melhor maneira possível. Os inimigos estavam à vista e até mesmo quase no campo, à medida em que eles se aproximavam . "

"O Capitão Puma Ynga, em nome dos Incas Tupa Amaro e Quispi Tito, deu obediência ao general Martin Hurtado de Arbieto, dizendo que o Incas pediam paz...

... E que eles não havian tido qualquer culpa na morte de Atilano de Anaya, nem tinham mandado tal coisa, porque estavam lá dentro, apenas Curi Pauca, e os outros capitães orejones de sua autoridade, haviam feito, para que ninguém soubesse da morte de Tito Cusi Yupanqui, seu irmão e pai. "

"Esse Puma Ynga deu notícia de como os capitães haviam feito um forte e o mantinham muito equipado e fortificado, chamado Huayna Pucara, e traçou o modo de como se poderia ganhar sem que os espanhóis e índios corressem perigo no assalto e captura dele. Nesse momento andavam os inimigos à vista do acampamento, e aos olhos dos espanhóis, com grande desenvoltura, aparecendo às vezes como a desprezar os nossos. "

"Assim, através de seus avisos claramente se conhece que houve a vitória e tomada do forte, porque ele disse que era um lugar muito longo, de uma légua e meia, quase chegando a duas e, de distância, como meia-lua o caminho por onde se tinha de marchar, muito estreito, muito rochoso e de montanha, e um rio largo e caudaloso, correndo pela vereda do caminho, pois tudo era de muito perigo e temeridade, indo e lutando contra os inimigos que estariam nas alturas, nessa distância de légua e meia, nas alturas que fazem meia lâmina fragosa, que não se pode andar ou passar dois companheiros juntos, aos pares. Os índios tinham feito um forte de pedra e lama, muito amplo, onde estava a fortaleza com muitos montes de pedra para atirar com a mão e com fundas e sobre o forte, por toda a lâmina, estavam montes de grandes pedras (#) e em cima ou por trás dos montes, pedras muito grandes, com suas alavancas,... "


Por entre pedras e flores, chegava-se ao Qhapac Ñan, a Estrada Real, que conduzia a toda parte. Sobre os rios, pontes suspensas que se gastaram como laços quebrados na memória. Como já disse Murúa, naquele lugar havia tanta quantidade de pedras que "parece ser realmente uma cidade ou castelo de muitas torres, de onde se julga que os índios deram-lhe um bom nome. Entre esses penhascos altos ou penhas existe uma rocha, junto a um pequeno rio, tão grande quanto admirável de se ver, considerando a espessura e a grandeza. Eu a vi, e dormi uma noite nela e me parece que terá de altura mais de duzentos côvados e, no contorno, mais de duzentos passos no topo dela. Se estivesse em uma fronteira perigosa, facilmente poder-se-ía fazer essa fortaleza que seria considerada inexpugnável. E  tem outra coisa que notar nessa  enorme rocha, que, em seu contorno, tão côncavo, podem ficar sob ela mais de cem homens e alguns cavalos. "


Pucara, a Fortaleza Vermelha, como fortes traços de tinta aplicada em uma tela branca que, perdendo a cor original, torna-se sangue, como as flores de cosmos, em Panti Pampa, talvez extintas, talvez à espera de um renascimento.
Na Catedral da cidade de Puno, construída no século XVIII, no antigo Supay Cancha (cerco do diabo), cuja fachada foi esculpida pelo mestre pedreiro peruano Simón de Asto, na qual podemos ver uma mostra do Barroco espanhol, incluindo elementos andinos que conferem ao monumento o seu carácter mestiço, tal como na fachada as flores nativas de panti (cosmos)(4). A obra foi concluída em 25 de maio de 1757.


(*) Adendo: pode-se perceber o momento exato em que a coca começou a se tornar uma "necessidade".

(**) (encomederos) - encomienda - Instituição da América colonial, mediante a qual se concedia a um colonizador um grupo de índios para que trabalhassem para ele em troca de sua proteção e de evangelização.

(#) pedregonazo (palavra usada por Murúa) que eu traduzi usando o sufixo da Língua  Espanhola: azo, -aza
1   Sufijo que entra en la formación de palabras con valor aumentativo y, frecuentemente, matices especiales de cariño o menosprecio: cochazo, manaza, padrazo, cabronazo. (sufixo que entra na formação de palavras com valor aumentativo e, frequentemente,com especiais nuanças de afeto ou desprezo)
2   Sufijo que entra en la formación de palabras con el significado de 'golpe': bastonazo, codazo, portazo. (sufixo que entra na formação das palavras com o significado de golpe)


(1) Cosmos é um gênero, com o mesmo nome comum de Cosmos, de cerca de 20-26 espécies de plantas anuais e perenes da família Asteraceae.



(2) Puca Pucara.

(3) Huayna Capac.


(4) No livro El Mundo Vegetal de los Antíguos Peruanos de Eugenio Yacovleff e Fortunato L. Herrera temos:
color encarnada

86. PANTI; ID.  Holguín Cosmos peucedanifolius var tiraquensis (Kunth) Scharff (Fam. Compositae) PANTI Planta herbácea, anual, de folhas muito divididas, flores de cor vermelha. Cresce no desfiladeiro de Apurimac. Cultiváveis como planta ornamental, suas flores são usados ​​como um sudorífico. Nas festas de carnaval, que substituíram as que celebravam entre os incas para incentivar a procriação das llamas, os índios usam as flores de panti em forma de mistura para atrair prosperidade. O povoado de Pantipata, que significa "uns andenes e, neles, flores vermelhas." (GIR 207, II).

“Panti-flor vermelha, símbolo de ternura” (Holguín)

--Outros estudos feitos com Panti: Especímes examinados: Sra. A. F. Bandelier 18, alt. 12,500 feet(pés), Titicaca, Lago Titicaca, Bolivia, 1905 (N. Y.; nomen incolarum; aymaranarum, Panti-Panti); CL Gay, Departmento de Cuzco, Peru, October, 1839-February, 1840 (Par. tipo de Cosmos subpubescens Wedd.) F. L. Herrera, alt. 3,000-3,600 metros, Cuzco, Peru, July, 1923 (U. S.); idem 1025, alt. 3,700 metros, Hacienda Churu, Provincia de Paucartambo, Departmento de Cuzco, Peru, enero (e pittacio lectoris ipsius), 1926 (Field; Gray, 2 sheets; Mo.; N. Y.; U. S.; nom. vulgare, Panti) em lugares não cultivardos, terrenos com matas(arbustos), etc, perto de Sorata, nos terrenos de mato  por toda parte, perto de Sorata, janeiro-marçoo de 1859 (Del.; Gray; N. Y.) A. Mathews, Provincia de Chachapoyas, al norte del Peru (Gray, 2 folhas; material tipo de C. marginatus Klatt); A. Weberbauer 6S81, Peru, 1909-1914 (Field); idem 7597, alt. 3,600 metros, na estepe de gramíneas com arbustos de dispersão, Valle de Yanahuajra, Provincia de Huanta, Departmeno de Ayacucho, Peru,18 de marzo de 1926 (Field).
Weddell’s C. subpubescens se baseou em uma planta de Gay fde a Província de Cuzco, Peru.



BIBLIOGRAFIA


(En el testemonio del Inca Titu Cusi Yupanqui, hijo de Manco Inca, 8 de julio de 1567, in Matienzo).
(Carta-Memoria del Inca Titu Cusi Yupanqui al Lic. Matienzo, junio de 1565, in Matienzo).


--Juan de Matienzo, Gobierno del Peru.


--Fray Martín de Murúa, Historia General del Peru.--Juan de Matienzo, Gobierno del Peru.
--Jimenez de la Espada, Relaciones Geograficas de Indias.


você pode ver o texto original desta postagem, em espanhol, bem como todos os textos dos autores, aqui traduzidos, no seguinte link, aqui no blog:
http://princesinhadiseda.blogspot.com/2011/07/manco-ii-lienzo-de-amor-y-muerte-en.html










LEIA A REPORTAGEM DE CUSCO NOTICIAS EM 


La legendaria “fortaleza roja” en el Cusco